Como se manter atraente para o mercado década após década?

A corrida pela transformação digital no Brasil criou inúmeros benefícios para o nosso modo de trabalhar. No entanto, essa revolução acelerou demais a defasagem de conhecimentos dos profissionais. Atualmente, calcula-se que 20% de todo o nosso conhecimento se deprecia anualmente. Ou seja, são necessários apenas cinco anos sem atualização para ficarmos obsoletos.

Na época dos nossos pais ou avós, o que se aprendia na universidade era suficiente para garantir um bom emprego e renda para o resto da vida. Hoje, um curso superior já está defasado quando o estudante termina de cursar primeiro período. Imagine, então, o que acontece após a formatura ou ao longo de uma carreira. Afinal, além das mudanças já difíceis de acompanhar, as exigências do mercado também têm aumentado de forma exponencial.

Além disso, passamos a viver mais. E, provavelmente, teremos que trabalhar por mais anos ao longo de nossas vidas. Em todos os setores, o desafio contemporâneo é como se manter atraente ao mercado década após década. A resposta? Sede por aprendizado. Mais do que nunca, buscar novos conhecimentos, fazer cursos e ter mentores são medidas fundamentais para continuar atuando. Não dá para parar.

E, se encontrar tempo para adquirir novos conhecimentos é também um desafio, a boa notícia é que o mesmo celular em que você passa horas no WhatsApp pode se tornar sua ferramenta de atualização e que 20 minutos por dia são suficientes para aprender algo novo. Simples assim. 

É que a transformação digital também possibilitou inovação aos processos de treinamento. Hoje em dia, atualizar-se é algo que pode acontecer assistindo a uma websérie, exatamente como fazemos com as séries do Netflix. Na plataforma LearningFlix, por exemplo, é possível aprender sobre gestão, vendas, ética e muitos outros temas ensinados em episódios que duram minutos e podem ser assistidos no trasporte a caminho do trabalho ou naquela pausa da correria do escritório. 

Novas tecnologias como realidade aumentada, de gameficação, vídeos interativos e aplicações de inteligência artificial vem transformado o conceito de aperfeiçoamento profissional e aproximando processos de atualização – antes predominantemente oferecidos em cursos presenciais e de formato rígido – em momentos momentos mais próximos ao lazer e diversão.  

Portanto, seja qual for sua idade, cargo ou jornada de trabalho atualmente, é hora de sacudir a poeira e partir para a batalha da reciclagem, mas incluindo ela no seu dia a dia e não só quando precisar. Sem sofrimento. Partiu?

Sobre o autor
Richard Vasconcelos é sócio e CEO da LEO Learning Brasil, mestre em Tecnologias Educacionais pela University of Oxford e atua há 15 anos no mercado de educação. Neto do fundador da Universidade Estácio, atuou na implantação do ensino à distância na instituição até 2009. Fundou a Me Digital, startup desenvolvedora de soluções para gestão escolar e é ex-CEO e sócio da rede de escolas de inglês Britannia, vendida para a Cultura Inglesa em 2018.